Bahia: Neto reafirma possibilidade de candidatura ao governo

Em entrevista coletiva na tarde de segunda, 4, durante o lançamento da programação do Réveillon, o prefeito ACM Neto (DEM) disse que seu nome é uma das opções do Democratas para disputar o governo do Estado. “Temos oito ou nove pré-candidatos a governador pelo Democratas. Eu até o momento que tomar a minha decisão de ser ou de não ser, posso ser”, afirmou. “Sendo eu candidato ou não a governador, vou estar presente na campanha, mesmo se não for com minha candidatura será com a candidatura de um aliado político. Certamente quanto ao governador eu não apoiarei, então vou estar presente como cidadão, agente político, liderança que tenho, afinidade com Bahia”, prosseguiu, acrescentando que tomará decisão depois do Carnaval.

Neto também falou de 2018 ao jornal Valor Econômico, publicada ontem. Ele ressaltou que o nome de Rodrigo Maia (DEM-RJ) começa a ganhar força como candidato do DEM ao Planalto. “Temos um cronograma e o primeiro passo será no dia 14, com a convenção nacional. Isso passa pela atualização das comissões provisórias municipais, estaduais e nacional e do programa do partido, no momento em que vamos procurar qual é a mensagem para o futuro. O que coroa esse processo é a possibilidade de apresentar uma candidatura própria à Presidência. O nome de Rodrigo [Maia] está começando a ganhar força. Tenho conversado com outros partidos no campo do centro que têm simpatia e podem se juntar. É uma pré-candidatura que pode se transformar em candidatura, com apoio de partidos que não querem começar 2018 reféns da polarização entre PSDB e PT. Defendo que a gente continue dialogando com o PSDB, mas o diálogo não pode ser apenas em torno do apoio a um candidato do PSDB”, disse.

O democrata disse ainda que seu grupo está se preparando para enfrentar Lula.  “A força do Lula não é uma realidade apenas da Bahia, mas de todo Nordeste. Isso deriva do discurso que ele fez ao longo de oito anos de governo, muito focado na região. Lula explorou isso. Olhou o Nordeste de maneira diferenciada, enxergou ali um campo aberto para crescer e cresceu. Ele mudou a realidade do PT. Se for para a década de 90, era o contrário. O PT tinha força no Sudeste e grande dificuldade no Nordeste. Lula chega à Presidência, foca na região, constrói um discurso que tem repercussão com algumas políticas de governo que acabaram tendo impacto direto na vida das pessoas e existe um recall inquestionável em relação a isso. A esse fato que se soma a outra coisa: ainda não existe outra candidatura no campo oposto ao de Lula que possa fazer esse contraponto. No Brasil as pessoas não votam em partido, mas em candidato. Qualquer candidato no nosso campo vai ter que se preocupar muito em construir uma plataforma de propostas para o Nordeste. A essa plataforma de propostas vai ter somar palanques fortes nos Estados, para a candidatura a governador. É a receita para enfrentar essa força extraordinária que Lula ainda tem no Nordeste”, avaliou.

ACM Neto se reúne com Alckmin para definir dobradinha em 2018

Opção para candidato à vice-presidência da República em chapa liderada pelo governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), deve se reunir com o tucano ainda esta semana para definir sua posição.

Segundo a coluna do Estadão, a chapa é almejada pelo PSDB porque funcionaria como uma alavanca para a campanha de Alckmin na região Nordeste.

‘Temos vários nomes para disputar o Senado’, afirma Aleluia

Presidente do Democratas na Bahia, o deputado federal José Carlos Aleluia rebateu em entrevista à Tribuna a declaração do secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Jaques Wagner (PT), de que os partidos que compõem a aliança de ACM Neto (DEM) não têm nomes competitivos para lançar como candidatos ao Senado pela provável chapa do prefeito de Salvador. Wagner disse em entrevista publicada aqui ontem que do lado do governador Rui Costa “sobram candidatos e faltam vagas”, e que “do lado de lá sobram vagas e não tem candidatos”. “Nós temos um grande número de companheiros que podem ser candidatos. Não vou citar nome para não parecer que tenho preferência por algum. A Bahia não pode continuar sem ter representação no Senado. Precisamos de alguém que realmente represente nosso estado no Senado”, afirmou Aleluia.

Aleluia também discordou do ex-governador sobre a candidatura de Lula à presidência da República em 2018, que é dada como certa por Jaques Wagner, pelos demais petistas e por seus aliados. Embora acredite que o ex-presidente será condenado em segunda instância e ficará fora da disputa, o líder democrata reitera as palavras de ACM Neto sobre se preparar para enfrentá-lo (no contexto em que Lula sendo candidato fortalecerá a candidatura de Rui Costa à reeleição ao governo da Bahia – na leitura do PT e de seus aliados). “ACM Neto disse hoje ao jornal Valor que nós temos que estar preparados para enfrentar Lula, embora Lula seja algo pouco provável. Mas quem quer ter certeza da vitória se prepara para enfrentar aquele que pode se considerado o mais difícil. Neto vai ser candidato com Lula ou sem Lula”, afirmou Aleluia.

Líder do PT no Congresso, o também baiano Afonso Florence, por outro lado, concordou com Wagner, e disse, além de acreditar piamente na candidatura de Lula, que o ex-presidente “fortalecerá ainda mais” a candidatura de Rui. “Eu não tenho dúvida de que Lula vai ser candidato, porque não tem prova nenhuma. Agora já começa a aparecer provas é contra Moro, nesse episódio do Tacla Durán com Rosângela Moro. Está na cara que ele está fugindo do problema que ele criou, o golpe, e agora a verdade está aí. Não tem possibilidade de condenação de Moro”, disse Florence à Tribuna.

Jutahy Magalhães Jr. diz que é “impossível” PSDB fechar questão sobre reforma da Previdência

O deputado federal Jutahy Magalhães Jr. (PSDB) confirmou a sigla está severamente dividida sobre apoiar a reforma da Previdência, que o governo tem tentado levar ao plenário neste mês de dezembro. Nesta quarta-feira (06), a Executiva tucana se reúne para tentar fechar questão, o que, segundo Jutahy, não deve acontecer.

“O estatuto do partido define que só pode fechar questão se a maioria da Executiva e das bancadas concordarem. É impossível fechar questão. A bancada quer liberdade para que cada um vote de acordo com a sua convicção”, disse o tucano ao BNews.

O PSDB está em processo de desembarque do governo, mas membros da alta cúpula, como Aécio Neves e Fernando Henrique Cardoso, querem que os parlamentares votem a favor da reforma.

Após insucesso com CPI da Cerb, opositores fazem representação

Após o insucesso na coleta de assinaturas para pedir a criação de uma CPI da Cerb na Assembleia Legislativa da Bahia, deputados da oposição vão protocolar uma representação no Ministério Público e possivelmente em outras instituições, como o Tribunal de Contas do Estado (TCE).

O objetivo é investigar relatos de ex-funcionários da Odebrecht que envolvem a Companhia de Engenharia Ambiental e Recursos Hídricos da Bahia (Cerb). Em delação premiada, André Vital e Cláudio Melo Filho afirmaram que a empreiteira condicionou doações à campanha de Rui Costa ao governo do Estado em 2014 ao pagamento de uma dívida da estatal.

A oposição chegou a discutir nos bastidores a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito na Assembleia para se debruçar sobre o assunto, mas o plano foi descartado após o arquivamento da CPI do Centro de Convenções.

Bahia: PCdoB reitera pleito por vaga em majoritária

Entrevista de Wagner que repercutiu nesta segunda, 4, no cenário político foi a declaração de que ele pode abrir mão de disputar uma vaga para o Senado na chapa de Rui (“para manter a unidade no grupo”), que, no sem entendimento, por ora, estão garantidas apenas as candidaturas do próprio governador e de seu vice, João Leão (PP), deixando em aberto somente as duas para a senatoria. Daniel Almeida ressaltou “a importância de Wagner”, mas ponderou que o PCdoB também briga por uma vaga na chapa.

“O projeto que nós representamos na Bahia é sólido, é forte. O conjunto de partidos dá muita solidez a esse projeto. Eu não vejo um cenário de fragilização desse projeto. Eu acho que nenhum aliado sairá desse projeto que é vitorioso. Claro que a composição da chapa ajuda a expressar essa força do projeto, mas ela não é determinante. Várias lideranças podem compor a chapa e manter o projeto forte tanto quanto é hoje. Wagner é uma dessas lideranças mais destacadas da Bahia e do Brasil. Qualquer chapa em que ele estiver, essa chapa naturalmente expressará uma força maior. Agora, o mais importante é que vence agora o mandato de dois senadores com perfil de esquerda, Pinheiro e Lídice. Eles são senadores de esquerda. É muito importante que na composição da chapa tenha pelo menos um senador de esquerda. Não podemos produzir um desequilíbrio nessa chapa, entre esquerda e centro. O PCdoB com certeza pleiteia uma dessas duas vagas para o Senado. O PCdoB participar de todas as conversas com os aliados do governador e tem deixado claro que faz essa discussão para composição de chapa. Nós temos nomes para apresentar também”, afirmou o deputado.

 

Fonte: Tribuna/BNews/Bania.ba/Municipios Baianos

Notícias Relacionadas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *