Sem incentivo do governo de PE festa Viva Gonzagão está ameaçadaA festa em homenagem ao aniversário de Luiz Gonzaga, o ‘Viva Gonzagão’, que acontece em Exu, no Sertão pernambucano, já tem mais de trinta anos de tradição. Mas para que o evento seja realizado é necessário que o governo do estado libere uma verba para a organização. Porém a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) vem diminuindo todos os anos o recurso destinado para festa, que este ano está ameaçada de nem acontecer, pelo menos, não da forma adequada para homenagear o Rei do Baião.

O sanfoneiro Targino Gondim lamenta a falta de apoio. Para ele, o governo desvaloriza a figura que foi Luiz Gonzaga. “Eu acho que o governo está pecando por não estar dando o devido valor ao pernambucano do século. As pessoas têm que entender que Luiz Gonzaga não é apenas a música de Luiz Gonzaga ou a festa. Luiz Gonzaga impulsionou toda uma cadeia produtiva e todo mundo esquece disso. Os artesãos, tudo que acontece no Nordeste, a culinária e tudo que é vendido hoje. Precisa reaver isso”, declarou Targino Gondim.

O dia 13 de dezembro é especial para os fãs de seu Luiz, que comemoram a data de aniversário do ‘Velho Lua’. Se estivesse vivo, Gonzaga completaria 104 anos. A festa em Exu, mesmo sem o aniversariante, deveria ser grande, como em todos os anos. Mas fazer a homenagem parece ser cada vez mais difícil.

O outro sanfoneiro que não deixa de ir ao ‘Viva Gonzagão’ é Flávio Baião. O sanfoneiro, que teve sua vida musical baseada nos ensinamentos que Luiz Gonzaga vê a festa como importante não apenas de pessoas do Araripe, mas por admiradores de Luiz Gonzaga. “O poder público em geral, os governantes, os políticos não estão dando o valor merecido a Luiz Gonzaga, porque a festa reúne amigos. A gente percebe lá que vão pessoas de todas as partes do país, de todas as regiões, gente que vai de fora, do exterior para curtir a festa. É uma coisa bacana. Então a gente vê que a cidade gera muitos empregos. Espero que o governo de Pernambuco se sensibilize e possa, de alguma forma, contribuir pagando os artistas e os funcionários do parque Aza Branca”, disse Flávio.

Mas para não deixar morrer a tradição do ‘Viva Gonzagão’, os discípulos de Luiz Gonzaga resolveram, de forma voluntária, tocar e fazer a festa. Isso por amor ao rei do baião e ao autêntico forró nordestino.

De acordo com o organizador da festa, Junior Parente, o governo do estado propôs uma negociação para a realização da festa, que não foi aceita. “Eles dariam um cachê aos artistas no valor total de R$ 50 mil reais e tentariam pagar os atrasados do ano passado em que eles devem em torno de R$ 90 mil. A festa do ano passado custou um total de R$ 120 mil. Não concordamos porque o valor não chega nem perto de fazer uma festa deste porte. Para se ter uma ideia, tem artistas que cobram quase isso por cachê. Não dá para pagar um e pedir aos outros para tocarem de graça. Além disso temos a estrutura de som, banheiros químicos, por exemplo, e tudo mais para construir uma festa de uma tradição dessa”, explicou o organizador da festa.

Segundo Junior Parente, o governo de Pernambuco tem reduzido a cada ano o repasse feito à festa ‘Viva Gonzagão’ e isso tem prejudicado bastante às homenagens ao ícone do forró. “É necessário dizer que o estado vem ano a ano reduzindo esta festa. Em Exu as pessoas até dizem que a festa do Gonzagão vai acabar, porque de 2013 para cá, após o centenário, houve uma baixa. A festa vem sofrendo cortes até que chegou a este ponto de oferecer um valor que não dá para pagar possivelmente um cachê”, lamentou Junior Parente.

Em nota, o Governo de Pernambuco informou que “As negociações para o apoio deste ano, que aconteceram levando em conta a responsabilidade da gestão para com a atual situação financeira do Estado, não atenderam às expectativas da direção do Parque Aza Branca, onde acontece parte deste importante evento. No entanto, mantendo o compromisso com a Festa Viva Gonzagao, o Governo de Pernambuco efetuará o apoio ao evento através de parceria com a prefeitura de Exu”.

Competição de games será realizada em Petrolina no dia 10 de dezembro

Com campeonatos de Counter Strike (CS) e League of Legends (LOL), acontece em Petrolina, no Sertão pernambucano, a segunda edição do Game Show, uma competição de jogos eletrônicos entre equipes. O campeonato acontece no próximo dia 10 de dezembro, a partir das 8h, na Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape), e serão abertas duas vagas em cada equipe para pessoas que não sejam alunos da instituição.

As inscrições podem ser feitas na Coordenação do Curso de Computação da Facape ou com os integrantes do Diretório Acadêmico e Computação da faculdade. Cada equipe para os campeonatos de CS e LOL pode ter até cinco integrantes e cada jogador deve pagar o valor de R$ 7 para efetivar sua inscrição. As inscrições serão encerradas quando houver oito times formados para disputar cada jogo.

As equipes vencedoras serão premiadas com brindes. Haverá ainda uma sala com video games como PlayStation 3, PlayStation2 e Xbox, com jogos de luta, ação e outros. A inscrição para jogos nesses consoles custa R$ 5.

De acordo com Alexandro Oliveira, um dos organizadores do evento, a competição tem objetivo de integrar os alunos da Facape por meio de atividades ligadas a área de jogos. “Esperamos o máximo de pessoas possíveis no campeonato. É um momento de descontração entre os alunos e outras pessoas de fora da universidade”, destaca.

O evento é uma iniciativa do Diretório Acadêmico de Ciência da Computação em conjunto com Diretório Acadêmico de Gestão da Tecnologia da Informação. Outras informações podem ser obtidas no site da Facape.

Pernambuco tem Programa inovador em Educação Infantil e Seminário debate aprendizados

No dia 7 de dezembro, um seminário no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda, debaterá os aprendizados do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade, implementado desde 2015 em três municípios pernambucanos. São esperados mais de 300 participantes. O Seminário acontecerá a partir de 8 horas.

O Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade é uma iniciativa do Fundo Juntos pela Educação, constituído por Instituto Arcor Brasil e Instituto C&A. A partir da premissa de que a infância deve estar no centro da agenda nacional e de que deve ter prioridade nas políticas públicas, o Programa visa contribuir com a qualidade na educação infantil dos municípios parceiros.

Os municípios de Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e São Lourenço da Mata, os três na Região Metropolitana de Recife, são o território de desenvolvimento do Programa, cuja implementação está a cargo da Oficina Municipal, organização contratada pelo Fundo Juntos pela Educação.

Planos municipais de educação

O momento inicial de contribuição do Programa foi na elaboração do que os respectivos Planos Municipais de Educação estavam tratando sobre Educação Infantil. Pelos termos do Plano Nacional de Educação, de 2014, os Planos Municipais de Educação (PMEs) deveriam estar reformulados, concluídos e aprovados pelas Câmaras Municipais até 24 de junho de 2015.

Projeto Político Pedagógico

Construídos ou reformulados e promulgados os Planos Municipais de Educação, com princípios e metas para os próximos dez anos, foi definido o Projeto Político Pedagógico (PPP) como o instrumento que colocaria em prática, nas escolas, o que os PMEs estabeleceram.

“É na escola que o Plano Municipal de Educação realmente é colocado em prática e o PPP foi escolhido porque ele é um instrumento de gestão que permite a participação de todos, da equipe gestora, dos educadores, dos funcionários, das famílias e dos alunos, na discussão sobre o que a unidade escolar pensa sobre si e projeta para os próximos anos”, afirma Oneide Ferraz Alves, responsável na Oficina Municipal pela coordenação técnica do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade.

Uma das contribuições essenciais do Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade é que foi acentuado o papel do brincar como “eixo estruturante do cotidiano das crianças” nas unidades de educação infantil dos três municípios, observa por sua vez Cida Freire, que atua como consultora do Programa desde o início de 2016.

Experiências em discussão

Será a experiência de cada município, na reformulação dos PPP das unidades de educação infantil, que estará em discussão no seminário do dia 7 de dezembro no Centro de Convenções do Recife, entre 7h30 e 12 horas. São esperadas mais de 300 pessoas, entre educadores, gestores, funcionários, pais e alunos das três redes municipais, além de convidados de outros municípios da Região Metropolitana de Recife.

Entre os convidados estarão membros das novas equipes gestoras das Secretarias Municipais de Educação, que tomarão posse em janeiro de 2017. Serão as equipes que acompanharão a continuidade da implementação dos planos de ação previstos em cada um dos PPP construídos de forma participativa nas unidades de Educação Infantil nos três municípios.

 

Fonte: G1/Ascom Instituto Arcor/Municipios Baianos

Share Button