Salmon seasoned with salt, cashews, walnuts, sliced avocado, and olive oil on a butcher block, garnished with parsley.
Salmon seasoned with salt, cashews, walnuts, sliced avocado, and olive oil on a butcher block, garnished with parsley.

Produtos ricos em substâncias como o ácido graxo ômega 3, a alicina, a antocianina e a vitamina C são classificados como alimentos anti-inflamatórios por terem a capacidade de aumentar a secreção de alguns hormônios que inibem e/ou bloqueiam a ação inflamatória para reparar uma lesão. “O processo inflamatório serve como barreira do organismo para microrganismos nocivos não penetrarem nas mucosas e feridas e comprometerem a saúde.

Os alimentos têm papel importante nesse processo, pois ajudam a fortalecer o sistema imunológico e o equilíbrio de todas as funções básicas do organismo”, afirma Roseli Rossi, nutricionista especialista em Nutrição Clínica, ao acrescentar que, atualmente, muitos estudos estão em desenvolvimento no mundo para explicar a atividade anti-inflamatória de alguns compostos existentes nos alimentos.

Saiba quais são os alimentos anti-inflamatórios

Os pesquisadores relatam que a quantidade de agentes fito químicos – vitaminas, minerais e antioxidantes –, de ácidos graxos essenciais, de complexos bioativos e a carga glicêmica dos alimentos são os fatores que conferem maior ou menor capacidade anti-inflamatória a eles. Baseada nesses critérios, a nutricionista norte-americana Monica Reinagel, autora do livro The Inflammation Free – Diet Plan, conseguiu atribuir em suas pesquisas um Fator Inflamatório (IF) a uma série de alimentos, que exercem impacto positivo ou negativo sobre o organismo quando entra na circulação.

Na tabela de Reinagel, por exemplo, o alho macerado está no topo dos classificados como anti-inflamatórios, já que possui substâncias bioativas com potencial de modular o processo inflamatório. O salmão está em segundo lugar, seguido do atum e da cebola. Os peixes, em especial de águas frias, são ótimas fontes de ácidos graxos ômega-3, que são convertidos em substâncias semelhantes aos hormônios que reduzem inflamações, assim como o azeite de oliva extra virgem e a semente de linhaça. “O ômega 3 é um ácido graxo monoinsaturado que colabora com a redução do LDL-colesterol e o aumento do HDL. Com o colesterol em dia, esses nutrientes anti-inflamatórios acabam tendo função cardioprotetora também”, informa Roseli Rossi.

A nutricionista explica ainda que os nutrientes presentes no chá verde favorecem a menor absorção de gordura e a redução do LDL-colesterol, o que diminui o risco para doenças cardiovasculares. Também estão na lista de nutrientes anti-inflamatórios a vitamina C, presente nas frutas cítricas e nos brócolis; a antocianina existente nas frutas vermelhas como romã, melancia, cereja, morango e goiaba; o licopeno do tomate e a quercetina da maçã, entre outras verduras e frutas que possuem fito substâncias com propriedade anti-inflamatória.

Os benefícios dos alimentos probióticos

Considerados alimentos funcionais pelas autoridades de saúde do mundo inteiro, os alimentos probióticos – a exemplo do leite fermentado Yakult com Lactobacilos casei Shirota – contêm bactérias que oferecem diversos benefícios à saúde, com destaque para a ação anti-inflamatória do intestino. Esses microrganismos colonizam e participam da proteção do aparelho digestório, diminuindo a concentração e a ação de bactérias patogênicas. “Junto com as fibras, os alimentos probióticos favorecem a melhor digestão e a eliminação de substâncias tóxicas do organismo, e aumentam expressivamente o valor nutritivo e terapêutico dos alimentos, fato que ajuda a fortalecer a imunidade”, destaca Maria Del Rosário, médica nutróloga e presidente da Associação Brasileira de Nutrologia – Regional Santa Catarina (Abran-SC).

Alimentos que estimulam a inflamação

Assim como a Ciência busca explicar a ação anti-inflamatória de alguns nutrientes, os pesquisadores também alertam para a inflamação anormal, de ordem patológica e crônica, como a obesidade, o diabetes e outras doenças, que podem ser favorecidas pelo consumo de substâncias inflamatórias presentes em alguns alimentos. Batata assada, batata frita, bolos, biscoitos, trigo branco e farinha integral são alguns exemplos de alimentos com alto índice glicêmico e que estimulam a inflamação anormal. “Ainda há muito o que estudar e comprovar a respeito. O que se sabe é que, no mundo atual, há um grande desequilíbrio no consumo de substâncias biologicamente ativas e compostos inflamatórios, como os produtos industrializados, ricos em gordura trans que causam diversos transtornos alimentares”, alerta Maria Del Rosário.

Por isso, uma dieta balanceada é fundamental para o bom funcionamento do organismo de forma geral.

Sete hábitos que deixam você mais bonita com o tempo

Você sabia que algumas atitudes do dia a dia podem fazer toda a diferença na saúde do seu corpo? Elas não só farão você ficar mais saudável, mas muito mais bonita. Incluir na rotina pequenos hábitos de beleza tem impacto na saúde da pele do seu rosto e o brilho e maciez do seu cabelo.

A dermatologista Themis Rosa explica que é fundamental cuidar da saúde, independente da idade. “Quanto mais cedo adotarmos hábitos saudáveis, mais protelamos o nosso envelhecimento da pele, do corpo e da mente”, afirma. Veja as sete decisões mais importantes eleitas pela médica para se manter saudável e bonita:

1 – Beba muita água

Tome 2 litros de água por dia. Mesmo que a temperatura caia, não deixe nunca de ingerir líquidos. Além de ser fundamental para a saúde do organismo, a água ajuda você a ficar em forma, deixa a pele mais bonita e o cabelo mais brilhante.

2 – Cuide a temperatura da água

Tome banhos sempre com água morna. A temperatura muito quente não é boa para o cabelo e nem para a pele – nesse último caso, a água quente remove a camada protetora, que acaba causando o ressecamento. Já o banho muito gelado pode causar uma tensão da pele, fechando poros e dando uma aparência mais tonificada.

3 – Alimente-se bem

Se você ingerir todas as vitaminas e nutrientes necessários à sua pele e ao seu cabelo, consequentemente, os dois ficarão muito mais bonitos. Uma alimentação balanceada é o grande segredo não só de um corpo mais bonito, mas de uma vida muito mais saudável.

4 – Evite cigarro e consumo excessivo de álcool

Não é segredo para ninguém que fumar provoca o envelhecimento precoce da pele. Além disso, a bebida alcóolica também prejudica a saúde da pele e dos fios do cabelo.

5 – Proteja-se do sol

Além de causar envelhecimento, a exposição excessiva ao sol pode deixar a pele manchada e até provocar câncer. Contudo, não adianta nada você proteger o rosto e esquecer do cabelo. Aplique protetor solar nos fios, também, para impedir o ressecamento.

6 – Faça atividades físicas

Estar em constante movimento é fundamental para uma vida saudável. Mas sabia que exercícios também fazem bem à beleza da pele? Quem pratica atividades físicas regularmente possui uma aparência mais saudável, pois a oxigenação dos tecidos e a circulação do sangue produzem endorfina, deixando a pele mais uniforme.

7 – Durma bem

Sabe aquelas oito horas de sono indicadas? Pois elas podem fazer toda a diferença para o resto do seu dia. Enquanto estamos dormindo, as células da pele são renovadas devido à ação de hormônios, como a melatonina, que é antioxidante.

 

Fonte: Por Dra. Juliana Rossi Di Croce, no Doutíssima/Beleza viva/Municipios Baianos/Portalg14

Share Button