Aumento dos assassinatos de policiais, déficit no efetivo das policias civil e militar, ausência de investimentos na segurança pública, suspensão do benefício da Conder, reajuste zero dos servidores públicos e descumprimento do acordo firmado entre o Governo do Estado e PMs e BMs no ultimo movimento reivindicatório, em abril de 2014, são alguns dos temas abordados nos oito outdoors que fazem parte da Campanha “A sociedade precisa saber”.

A campanha foi lançada, em Salvador, na manhã desta quarta-feira (13/07), pelo deputado estadual soldado Prisco e Aspra com o objetivo de chamar atenção da sociedade e apresentar a real situação da segurança pública no Estado da Bahia. A iniciativa do parlamentar conta a verdadeira situação da segurança pública em placas instaladas em vários pontos de Salvador.

A Campanha Soldado da PM

A sociedade precisa saber esclarece ainda que apesar de já ter cumprido todos os critérios necessários para a percepção da Gratificação por Atividade Policial V (GAP V), grupo de policiais e bombeiros militares, formados após janeiro de 2014 não têm prazo previsto para a aquisição do direito. Mais, os PMs e BMs que integraram o quadro militar após 2014 não têm previsão para a percepção da GAP IV.

É verdade! Na PMBA existem soldados que gozam do direito, no entanto, outros, tiveram o direito extirpado pelo Estado, promovendo a clara diferenciação entre profissionais que ocupam as mesmas funções. Tudo isso, bem próximo da diminuição do efetivo provocado pelo afastamento dos cerca de sete mil profissionais que devem ir à reserva nos próximos meses.

Pois é, o assalto aos direitos do trabalhador da segurança pública ocorrem à revelia do disposto no decreto-lei 12.566/12 que trata sobre as Gratificações de Atividade Policial Militar.

Senão vejamos o que determina:

Art. 8º – Para os processos revisionais excepcionalmente previstos nesta Lei deverá o Policial Militar estar em efetivo exercício da atividade policial militar ou em função de natureza policial militar, sendo exigidos os seguintes requisitos:

I – permanência mínima de 12 (doze) meses na referência atual;

II – cumprimento de carga horária de 40 (quarenta) horas semanais;

III – a observância dos deveres policiais militares, da hierarquia e da disciplina, nos termos dos arts. 3º e 41 da Lei nº 7.990 , de 27 de dezembro de 2001.

Se até o previsto em lei não é cumprido, o que dizer do auxílio-transporte que ainda não foi regulamentado pelo Estado? Pois bem, o benefício também não é oferecido aos policiais que integraram os quadros da nossa respeitável Polícia Militar do Estado da Bahia depois de janeiro de 2014.

Somos nós que arriscamos nossas vidas pelo bem da coletividade. Deixamos nossos lares sem saber, ao certo, se voltaremos para casa. É justo este tratamento? O soldado da PM quer saber.

Zé Rocha assume Setur, mas Bacelar espera por espaço

O governador Rui Costa (PT) anunciará o deputado federal José Rocha no comando da secretaria estadual de Turismo na segunda-feira (18), conforme fontes deste site afirmaram na última sexta-feira. A mudança, Nelson Pelegrino (PT) retorna à Câmara dos Deputados, já era prevista desde o início da gestão do petista em 2015.

A disputa entre o próprio José Rocha e o também deputado federal João Carlos Bacelar, conhecido como Jonga Bacelar, para resolver quem seria responsável pela indicação para a chefia da pasta, vez que ambos não queriam a titularidade, levou a articulação política do Palácio de Ondina convocar Pelegrino para a tarefa.

Soldado do partido, o parlamentar quatro vezes derrotado na disputa pela prefeitura de Salvador, recebeu o convite no final de semana e na segunda seguinte assumiu. Nos bastidores da governadoria as conversas davam conta de que Pelegrino estava na função tapando um buraco destinado ao próprio PR e sem muito entusiasmo.

A chegada de José Carlos Araújo no PR em fevereiro deste ano possibilitou a retomada das conversas sobre espaços. Construiu-se a transição e a pasta foi oferecida a José Rocha novamente, mas ele não aceitou. Quando viu que Araújo tinha uma “carta na manga” chamada José Alves, operador do trade turístico baiano, o parlamentar voltou atrás e topou assumir a secretaria.

A costura toda foi feita por Araújo e Rocha. Bacelar, afirmou neste sábado à reportagem do Bocão News, que as saídas foram conversadas em Brasília, mas que nenhuma definição passou por ele. Ao contrário, Bacelar espera, segundo o próprio, ouvir do presidente estadual do partido “o que está posto na mesa”.

Por posto na mesa entende-se o que o governo ofereceu para Bacelar. O fato é que o deputado diz com todas as letras que “só a secretaria não basta”. Se antecipa ao dizer que votou com Dilma Rousseff ratificando um acordo feito em 2014 por ele com Rui Costa e o ex-governador Jaques Wagner e que agora espera o prometido.

Questionado sobre quais foram os compromissos assumidos por Rui e Wagner, Bacelar recorreu a um enigmático recado direcionado: eles sabem!

CUNHA

Outro assunto abordado por pessoas ligadas ao governo petista na Bahia é a relação de Bacelar com o deputado federal afastado Eduardo Cunha (PMDB).

Bacelar faz questão de desvincular os compromissos no estado com a relação que tem com o “amigo pessoal Eduardo Cunha”. “Votei com Cunha no conselho de ética, para a presidência da Câmara e vou votar com ele no plenário para ganhar ou perder”.

O deputado federal lembra que se afastou do mandato em 2012 para que Marcelo Guimarães Filho (PMDB) pudesse assumir o mandato na condição de suplente e votasse em Cunha para liderar a bancada peemedebistas na Casa Baixa do Congresso Nacional

 

 

Fonte: Giro de Notícias/Bocão News/Municipios Baianos/portalg14/g14

Share Button